Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Sabias que é possível viajar para amanhã e voltar ainda hoje?

Mäyjo, 01.08.16

13920742_962604143848442_2753232023814618381_n.jpg 

Se sim é porque estiveste atento às aulas de Geografia ou então já ouviste falar das Ilhas Diomedes...

São duas ilhas situadas no Estreito de Bering, afastadas apenas 4 km e entre as quais passa a Linha Internacional da Data.

A maior (29 km2) pertence à Rússia - totalmente desabitada desde quando a URSS construiu uma base militar na ilha - e a menor (7,3 km2) é dos EUA (mais precisamente do Alaska), onde há uma pequena vila de esquimós com cerca de 140 habitantes e 30 edificações.

Em termos de fusos horários, a ilha maior (Rússia) é chamada Ilha do Amanhã porque está 20 horas (quase um dia) à frente da ilha menor (EUA), que é conhecida como Ilha do Ontem.

Há anos que se discute a construção de uma ligação de 80 km - Ponte Intercontinental da Paz - que uniria o Extremo Oriente Russo ao Alaska...

 

Saiba mais das ilhas em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ilhas_Diomedes

e sobre a Ponte em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_Intercontinental_da_Paz

Espanha: adopção do fuso horário português traria benefícios laborais, familiares e ambientais

Mäyjo, 05.01.15

Espanha: adopção do fuso horário português traria benefícios laborais, familiares e ambientais

Em Setembro do último ano, o Governo espanhol comprometeu-se a estudar um relatório aprovado no Congresso de Deputados que defende uma análise socioeconómica sobre a possível adopção do horário de Portugal em Espanha.

O documento foi preparado ao longo de nove meses com o contributo de 60 especialistas. Para além do regresso ao horário de Greenwich, o estudo abrange outras questões, como a defesa das jornadas contínuas de trabalho – com uma breve pausa para almoçar –, a possibilidade de as crianças entrem nas escolas mais tarde, alterações nos horários comerciais e, em muitos outros aspectos, no quotidiano castelhano.

A questão da alteração do fuso horário de Espanha é, pontualmente, tema de debate e existe cada vez mais um sector crescente da população a defender um modelo que é, para muitos, apontado como menos produtivo e com fortes condicionalismos sobre a vida pessoal. Numa altura em que Espanha atravessa uma crise financeira, muitos advogam que o atraso de uma hora no relógio poderia ser economicamente mais vantajoso. Porém, desde que o estudo foi aprovado, o Governo de Espanha nunca mais voltou a estudar o assunto.

A retoma do fuso horário de Greenwich é uma questão delicada já que, apesar de a hora actual de Espanha não ser a natural do país, os espanhóis já estão acostumados e os hábitos enraizados. Mas nem sempre foi assim. Até 1942, Espanha regia-se pelo horário de Greenwich, que dita a mesma hora para Portugal, Reino Unido e Marrocos. A alteração da hora ocorreu quando Franco se alinhou com a Alemanha, que tinha imposto o fuso horário germânico a França e outros países. Portugal e o Reino Unido chegaram mesmo a adoptar o fuso horário de Hitler, mas depois da guerra regressaram ao fuso horário natural, o que não aconteceu com Espanha e França.

Impactos do regresso ao horário natural

Mas quais seriam os verdadeiros impactos na sociedade espanhola da retoma do fuso horário de acordo com a posição geográfica do país? Segundo o relatório, regressar ao horário de Greenwich, o fuso TMG, que é inspirado no ciclo solar diurno, teria um efeito favorável na conciliação da vida laboral e familiar. Assim, os espanhóis teriam mais tempo para a vida familiar, para a sua formação, vida pessoal ou lazer – e evitariam tempos mortos na jornada laboral diária, que se tornaria mais produtiva e seria um benefício económico para o país.

O horário laboral de Espanha é habitualmente caracterizado por jornadas longas pela manhã e tarde, com uma pausa ao meio da manhã e outra pausa para almoço, por volta das 14h, que se pode prolongar por duas horas. O dia acaba já de noite, refere o New York Times. O comércio normalmente abre apenas às 10h e fecha no período de almoço. Como o horário de almoço é bastante alargado, muitos espanhóis aproveitam para dormir a “siesta”. Caso o relógio atrasasse uma hora, a “siesta” teria de ser encurtada.

Com um horário destes torna-se difícil conciliar a vida profissional e pessoal, já que a noite não começa normalmente antes das 22h00, hora normal para se jantar em Espanha. Porém, esta já é uma hora tardia para as crianças que, no dia seguinte, têm de acordar cedo para ir para as aulas. Desta forma a vivência entre família é reduzida ao mínimo.

A adopção do horário de Portugal permitiria também aos espanhóis uma redução do consumo e dos custos energéticos, já que o prime-time televisivo seria reduzido, o que se traduziria em menos horas de televisão. O horário nobre da televisão espanhola começa às 22, com o noticiário que acompanha o jantar e pode estender-se até à madrugada do dia seguinte. A alteração do prime-time deu-se também com Franco, quando as rádios foram obrigadas a emitir dois noticiários acompanhados de propaganda – às 14h30 e 22h. Quando a televisão surgiu, na década de 1950, as mesmas regras aplicaram-se. Posteriormente, nos anos 1990, ainda na transição do período pós-ditatorial para um regime democrático, os canais de televisão privados alargaram ao máximo o horário nobre. Um dos últimos estudos sobre os hábitos televisivos dos espanhóis indica que cerca de 12 milhões vêem televisão até à 1h.

Assim, a adopção do horário de Greenwich permitiria não só poupar no consumo energético, como beneficiaria a vida familiar e pessoal e aumentaria a produtividade laboral, já que o horário de trabalho teria menos interrupções e acabaria mais cedo.

Foto:  FABIOLA MEDEIROS / Creative Commons

Fusos horários

Mäyjo, 04.12.13

Observa a figura e responde às questões que se seguem.

 

 

                                                             Os fusos horários

 

1- Porque é que a hora não é igual em todo mundo?

2- Qual é o sentido do movimento de rotação da Terra?

3- O que são os fusos horários?

4- Porque se criaram os fusos horários?

5- Qual é a referência para marcar as horas?

6- Se considerarmos 2 lugares, com longitude diferente, onde é mais cedo?

7- Se formos de Lisboa para Moscovo, o que fazemos ao relógio?

8- Onde é mais cedo, em Lisboa ou em LA?

9- O relógio deve ser adiantado ou atrasado se formos para o Rio de Janeiro?

9.1- Justifica a resposta.

 

10- Comenta os textos que se seguem, atendendo às consequências dos fusos horários.

 

O Jet-Lag

Ataca os passageiros, deixando-os à beira de um ataque de mau feitio durante vários dias, depois de um voo de longo curso: é a fadiga, a fraqueza, o sono e a irritabilidade.

Alguns especialistas em stress referem que a adaptação a um novo fuso horário demora entre 5 e 15 dias.

O que se deve, então, fazer? Durante o voo, é aconselhável relaxar, ouvir música ou ver filmes. Depois, quando chegar, deve evitar o álcool e os doces. Se for pela manhã, não durma, vá a um museu, passeie, faça compras.

Executive Digest

 

Farra a dobrar

Sherry Sacino, da Florida, está tão excitada com o ano 2000 que planeia celebrar a sua chegada não uma vez só, mas duas. Apercebeu-se de que, se atravessarmos a linha internacional de mudança de data, podemos ser simultaneamente os primeiros e os últimos a celebrar o Ano Novo. Por cerca de 5000 dólares, a sua companhia aérea oferece aos participantes a oportunidade de celebrar a entrada no novo ano nas Fiji e fazerem-no de novo, 24horas mais tarde, na Samoa Ocidental.

Selecções do Reader's Digest, Dezembro 95